Posts

Se Liga Especial Quaresma 4

Conforme vimos nos textos anteriores, a Quaresma é primariamente um tempo penitencial. Ao
vivenciar a experiência do deserto, o fiel é convidado a refletir sobre suas faltas e implorar pela
misericórdia de Deus, purificando-se para a celebração da Páscoa através de atos de reparação pelo mal
cometido.
No tempo de Moisés, quando Israel caminhava pelo deserto rumo à terra prometida, Deus
estabeleceu que aquele que cometesse uma falta deveria confessá-la, apresentando ao sacerdote uma
ovelha ou uma cabra em sacrifício pelo pecado, e seu pecado seria expiado (Lv, 5:5). Assim, desde a
antiga aliança, o Senhor dá ao seu povo a oportunidade de pedir perdão por seus erros através do
sacrifício oferecido pela mão sacerdotal. Naturalmente, é apenas no Novo Testamento que o verdadeiro
sacrifício é completamente revelado no Cristo pregado na Cruz. Jesus toma o lugar do cordeiro
oferecido em oblação, expiando o pecado do homem; por isso O chamamos Cordeiro de Deus, que tira
o pecado do mundo.
Após Sua ressurreição, Cristo aparece aos discípulos e lhes diz: “àqueles a quem perdoares os
pecados, ser-lhes-ão perdoados. Àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (Jo, 20:23). Desta
forma, Jesus transmite-lhes o poder de perdoar pecados em Seu nome. Aqui, Cristo demonstra cuidado
com Seus fiéis, ao deixar-lhes uma forma de reparação de seus pecados que se reproduziria até que
chegasse o momento de sua segunda vinda. Estava assim estabelecido o Sacramento da Reconciliação,
também chamado de Penitência ou Confissão, levando à plenitude o rito levítico juntamente à
Eucaristia.
Na celebração do sacramento da reconciliação, o fiel deve realizar um profundo exame de
consciência e reconhecer suas faltas. Em seguida, deve procurar arrepender-se sinceramente em seu
coração de ter ofendido a Deus. O penitente então procura um sacerdote, que como sucessor dos
apóstolos recebeu do próprio Cristo a faculdade de ouvir os pecados, e enuncia suas faltas em voz alta.
Este ato de humildade ajudará o fiel a ver com maior clareza sua falta e, desta forma, tornará mais
concreto seu arrependimento. O sacerdote, na pessoa de Cristo, oferece-lhe conforto, conselho e, acima
de tudo, o perdão e a cura. É um rito belíssimo, onde o penitente lamenta ter se afastado de seu Senhor,
e este, por sua vez, recebe-lhe de braços abertos como Pai misericordioso.
No Salmo 50, o rei Davi, após o pecado com Betsabé, exemplifica o espírito contrito que se
espera do fiel que busca a Reconciliação. Davi reconhece sua culpa e aceita a sentença que lhe é
justamente aplicada. Porém, simultaneamente, implora a misericórdia do Senhor e pede que crie nele
um novo coração, puro e firme no propósito de se afastar de suas faltas. Davi reconhece ainda que um
mero sacrifício ritual não bastaria para apagar seu pecado, se não estivesse de fato disposto a emendar-se: seu sacrifício deve ser o de um “espírito concrito, um coração arrependido e humilhado”.
Não é difícil perceber que a Quaresma é o tempo ideal para se buscar a Reconciliação. O roxo
que decora o altar está presente também na estola, sinal do poder sacerdotal, que o ministro utiliza ao
celebrar este sacramento. Enquanto tempo penitencial, a Quaresma proporciona o ambiente espiritual
adequado para a reflexão e o arrependimento. Se a sobriedade do tempo quaresmal nos lembra a morte
corporal, quando voltaremos ao pó, o fiel também é convidado a refletir sobre aquilo que causa sua
morte espiritual – o pecado. Contudo, como a Quaresma encontra seu fim na luz gloriosa da
Ressurreição, o pecado deve encontrar seu fim no perdão concedido na Reconciliação.

Se Liga Especial Quaresma 3

A importância das Práticas Devocionais

Muito se fala sobre o período da Quaresma e seus propósitos, mas o que realmente esse Tempo Litúrgico representa e por qual motivo devemos nos entregar em Práticas Devocionais?

Dentro de um rodeado de informações, a maneira popular como a Quaresma é vista acaba se resumindo ao ato de abdicar de algo que gosta por quarenta dias. Mas esse tempo Litúrgico é mais do que isso, pois trata-se de um privilégio Cristão em que olhar para si com o objetivo de avaliar e mudar é um ponto de partida para melhorar, persistir e alcançar a salvação.

Reflexão, jejum, penitência, caridade, oração e conversão. Essas são as bases quaresmais que devemos nos dedicar nesse período. Silenciar o coração, pois o silêncio ajuda a ouvir melhor e enxergar com mais clareza; fazer uma avaliação interna, pois devemos oferecer o melhor para o próximo e, também, como imagem e semelhança de Deus, sermos o melhor que pudermos ser. Praticar o jejum como forma de purificação, a caridade de maneira ativa e concreta e dedicar-se à oração com fervor. Além de esvaziar-se dos excessos com intuito de se desfazer do que não cabe, para assim abrir espaço para a conversão.

Diante dessas bases, as Práticas Devocionais ajudam e permitem que esse período seja vivido na sua totalidade, entregando ao Cristão a possibilidade de nutrir sua fé de forma inteiriça. O exercício da Via Sacra, a meditação sobre as sete dores de Maria, dentre tantos outros atos Piedosos e Devocionais são exemplos de conectivos importantes entre o Cristão e a realidade do que acreditamos dentro da nossa fé. Analisar, vivenciar e observar os detalhes da Paixão de Cristo nas quatorze estações em que a dor e o sacrifício de Jesus são divididos, ocasiona a chance de absorver e reviver com vigor a importância que por vezes deixamos de ver ao longo dos meses, bem como, uma oportunidade de realinharmos nossa fé e conectarmos nossas crenças com nossas atitudes. Assim também permite a meditação sobre as sete dores de Maria, que a reflexão nos carrega para as dores e amarguras de Maria Santíssima, durante sete episódios da vida da Mãe, trazendo para a nossa realidade o significado de amor, como também de entrega e confiança.

Não se fala “meses da Quaresma” e sim dos dias, pois os quarenta dias são referentes ao símbolo que o número quarenta tem na bíblia, atestando também que o objetivo desse período é se entregar um dia por vez. Logo, as devoções não só são importantes, como essenciais. Para que não seja só um período de vivências especiais, mas, principalmente de transformação.

Informativo - Março de 2014

Informativo de Março

Clique aqui para visualizar o Informativo PNSL – Março de 2015

Já está disponível o Informativo de março da PNSL. Nele você poderá conferir as seguintes matérias:

  • Domingo de Ramos – Pe. Norbey
  • São José – Devoção, Notícias e Curiosidades – Alcides e Lourdes – ENS 76-C
  • Jesus está vivo – Rodrigo Rô – Segue-Me
  • Quaresma Para Refletir e Agir – Lourdes Valentim – Pastoral Familiar
  • A Crise Hídrica Dia Mundial da Água – Rômulo Mello – Paroquiano
  • Fraternidade: Igreja e Sociedade – Flor – Comissão Justiça e Paz
  • Além de outros avisos e lembretes das atividades da paróquia

Caso você ainda não recebeu na sua casa ou comunidade,  poderá conferir no site da PNSL, clicando aqui: Informativo PNSL – Março de 2015.